Já pensou em ir de carro para o Kruger Park de carro? Isso é porque você não imagina quão bela é a Rota Panorâmica.

A forma mais comum de chegar à África do Sul é por Johannesburg.  Como falamos aqui. Para ir ao Kruger, você pode optar por ir de avião até Hoedspruit, ou ir de carro passando por uma das estradas mais belas do mundo: a Rota Panorâmica.

Sabemos que muitos turistas preferem ir de avião para o Kruger Park. Sim, ele é mais rápido e mais cômodo para quem tem pouco tempo, mas existem maravilhas a serem visitadas no caminho que só podem ser visitadas estando de carro.

Entre Johanesburgo e o Parque Nacional Kruger está a cadeia montanhosa de Drakensberg.  Ao longo dessa cadeia é a Rota Panorâmica ou a estrada 532. São 509 km de paisagens cenográficas e inesquecíveis.

ESTRADA DA ROTA PANORAMICA

AS ESTRADAS

As estradas são muito boas e sempre muito bem sinalizadas. Ao longo de toda ela, você poderá ver várias cidades pequenas ou vilas. Mas o que mais lhe encantará são as paisagens deslumbrantes por todo o caminho.

São aproximadamente 450 km percorridos, mas como fomos parando levamos um dia de viagem na ida. E uma manhã na volta.

Pedágios: existem quatro pedágios na estrada. Somando todos, gastamos uma média de 400 rands ida e volta (isso equivale a uns R$100). De gasolina, gastamos algo próximo a 500 rands (algo em torno de R$250).

Preste muita atenção para não ficar na estrada durante a noite, os postos fecham cedo, assim como os comércios locais. Em geral, o comércio e os serviços encerram suas atividades bem cedo, entre as 16h e 18h. O que pode ser muito ruim se você ficar sozinho a noite na estrada.

Traçamos um roteiro que incluíam várias paradas. A primeira delas é foi Pretória.

De Pretória seguimos para nossa segunda parada o Nan Hua Temple.

O QUE ENCONTRAR NA ROTA PANORÂMICA

Saímos de Pretória e pegamos a R104 (estrada regional). Você pode pegar também a N4, que é a estrada nacional e normalmente tem pedágios.

Foram 57 km até chegarmos em nossa segunda parada: O NAN HUA TEMPLE. É um templo budista maravilhoso, que fica próximo a uma cidade cheia de letras, chamada Bronshosrtspruit, na África do Sul. As músicas, a construção e a paz que você sente nesse lugar merecem 30 minutos da sua viagem.

Seguimos na rota rumo a Belfast. Foram mais 145 km. Passando por Belfast, você encontrará um posto/restaurante/hotel que é um achado, o Milly’s Restaurant and Accommodation.

Essa parada é sensacional, com um excelente restaurante. Tem uma lanchonete também muito boa. Compramos sanduíches para levar e uma loja gourmet de tirar o chapéu. Você encontra azeites, temperos, doces, queijos, muitos condimentos e tudo que eu nunca imaginei achar. Aproveite para comprar salmão defumado, trutas defumadas, queijos e vinhos para levar para seus dias no Kruger.

FOTO DA SDUWALA CAVES NA AFRICA DO SUL

UMA CAVERNA NO CAMINHO

Seguimos viagem em direção a Sduwala Caves. Essa caverna é sensacional e de trilha fácil. Eles ainda possuem um parque dos dinossauros para as crianças na entrada. Para crianças. O ingresso custa 96 rands e a visita dura em média 1h30. Tem uma lanchonete na entrada da caverna vendendo águas, refrigerantes e alguns salgados. Mas havíamos levado lanches do Milly’s e não nos arrependemos.

Saindo de Sdwala Caves seguimos para Mac Mac Falls e visitar as cachoeiras do Sabie.

REGIAO SABIE AFRICA DO SUL

REGIÃO DO SABIE

A região de Sabie é cheia de cachoeiras cenográficas. Aliás, para quem não conhece, essa é a região onde há mais cachoeiras do que qualquer outro lugar do sudeste africano. Você passa pela estrada e avista inúmeras cachoeiras, o que pode atrasar muito sua viagem.

As cachoeiras mais conhecidas e tradicionalmente mais visitadas são: Mac Mac, Lisboa e Berlim.

Ao norte da cidade de Sabie, tomando a estrada R532, encontra-se as Mac Mac. Suas águas caem pela garganta de uma altura de 70 metros. Ela é incrivelmente bonita.

A próxima parada é a maior cachoeira na África do Sul, na cachoeira Lisboa. Ela recebeu esse nome por conta de mineiros portugueses que se instalaram na região em busca de ouro. A água cai de três locais diferentes, em uma altura de 90m.

A terceira cachoeira visitada é a Berlim, que tem 80 metros queda numa piscina de tirar o fôlego. Para quem gosta de belezas naturais, esse é um passeio imperdível.

SEGUINDO PARA A ROTA PANORÂMICA

Seguimos para Pilgrim’s Rest. Fundada há mais de cem anos, esta pequena comunidade nasceu com a grande corrida do ouro e permaneceu quase inalterada até os dias de hoje. Suas casas foram construídas em madeira e estanho, o que as fizeram resistir bravamente ao tempo e fizeram de Pilgrim’s Rest uma cidade inusitada e para visitação.

Dentre os passeios turísticos da cidade, está a visita a mina de carvão. Trata-se de uma mina desativada que mostra como foi a corrida do ouro na região. Outra coisa tradicional para quem visita Pilgrim’s é comer a famosa torta caseira na Pilgrim’s Pantry.

Passamos direto, apenas para ver a cidade, pois o tempo estava curto e precisávamos chegar ao hotel antes de anoitecer.

OS PONTOS PRINCIPAIS DA ROTA PANORÂMICA

Após Graskop, você irá na estrada margeando o cânion Blyde River Canion. São paisagens cênicas e inesquecíveis. Uma parada para fotos no God’s Window e Pinacle, dois mirantes sensacionais, onde os penhascos descem abruptamente por centenas de metros, permitindo uma visão privilegiada de todo o vale.

Mais adiante, você poderá ver o Rio Blyde e seus cânions. Um bom lugar para conhecê-los é em Bourke’s Luck, onde existem várias passarelas para ver o trabalho da erosão da água nas rochas.

VISTA DA CACHOEIRA NA ROTA PANORAMICA

Logo depois, você verá um mirante chamado de Three Rondavels. Ali, três montanhas gêmeas marcam a paisagem e pode-se ter uma visão de 180 graus do imenso vale formado pelo rio Blyde.

POTEHOLES ROTA PANORAMICA

Chegando ao Blade River Canion ao entardecer, o sol estava se pondo, tiramos algumas fotos rápidas e seguimos para o hotel para evitar dirigir a noite.

Caso necessite de mais informações, entre em contato com a Secretaria de Turismo de Mpumalanga.

Turismo de Mpumalanga

Tel: +27 (0)13 759 5300

E-mail:  info@mtpa.co.za

Nossa Rota de carro até o Kruger Park

COMO CHEGAR

Se você estiver dirigindo de Joanesburgo, entre na N12 em direção a Malahleni (Witbank) e vá para Mbombela (Nelspruit) e depois para o norte, sentido Hoedspruit. Você também pode ir pela N4 até Nelspruit/ Hazyview e Hoedspruit.

A Rota Panorâmica também pode ser acessada por micro-ônibus e ônibus de longa distância partindo de Johannesburg.

SOBRE A REGIÃO DA ROTA PANORÂMICA

O comércio na África do Sul começa cedo e encerra mais cedo ainda. É muito comum os bares e restaurantes fecharem às 18h, ficando alguns no máximo até as 20h. Portanto, se organize para finalizar seu dia mais cedo.

Como temos fuso horário de 5 horas adiantado em relação a Brasília, você pode se valer dessa vantagem e acordar ainda no horário do Brasil.

Outra dica é quanto à segurança. É sempre muito importante ficar atento e não parar em lugares desertos ou em bairros mais inseguros.

COMO SE LOCOMOVER

O melhor modo de se locomover pela Rota Panorâmica é de carro.

TEMPO DE ESTADIA

Um fim de semana de 3 dias serve para uma visita rápida. O ideal é uma estada de 4 a 5 dias para aproveitar a região.

ONDE FICAR

Muitas pessoas optam por pernoitar na região do Canyon. Existem muitas opções de hospedagem por lá. Assim, você consegue aproveitar o parque e os muitos passeios e trilhas que ele oferece.